Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um Absurdo Sem Fim

27
Out16

Eu fui a Maria

Loís Carvalho

 

 

Hey Pessoal,

 

          Nos últimos dias tenho ouvido falar imenso de Maria Barros, a aluna que depois de não entrar na faculdade de medicina por 3 décimas decidiu enviar uma carta aberta ao senhor Presidente da República. Li a tal carta, os comentários no facebook a apoiar a rapariga e outros nem tanto, li textos de imensas pessoas a mostrar o seu ponto de vista e até mesmo o bastonário da ordem dos médicos se decidiu pronunciar sobre o tema. 

           A verdade, é que eu também já fui a Maria Barros. No ano passado, não entrei em medicina dentária por 4 décimas e este ano medicina também não me ficou muito longe, (contudo, já não era o que realmente queria). Sei o que é receber um e-mail a dizer não colocado, sei o quão agridoces são as horas seguintes. Sentir que todo o trabalho que tivemos não foi recompensado e vemos o chão ser-nos arrancado em meros segundos. Ficamos sem saber qual é o próximo passo a dar, pois a revolta interior é tão grande que achamos que o universo conspira contra nós. 

           Existem certos pontos que para mim eram compreensíveis, como por exemplo, o porquê de não se aumentar o número de vagas. Sei as condições em que alguns dos nossos jovens médicos estão a ser treinados, com vários estagiários para apenas um médico, o caso dos médicos indiferenciados e a má distribuição de profissionais. Aumentar as vagas apenas traria mais caos ao SNS e ao ensino superior do que melhorias. 

           A diferença entre mim e a Maria é que percebi que não vale a pena desistir. É óbvio, e estaria a mentir se dissesse o contrário, também eu pensei em estudar no estrangeiro. Espanha, Irlanda, República Checa e Canadá foram alguns dos países que me passaram pela cabeça. Mas, nenhum deles era Portugal. Sim, o país podia não me ter dado a oportunidade, mas eu não desisti dele. Tenho a sorte de viver num país onde o ensino superior é "acessível" e de boa qualidade, caso contrário não seríamos reconhecidos lá fora da maneira que somos. Eu decidi parar um ano e tentar melhorar as minhas provas de ingresso, porque se os outros conseguiam ter aquelas notas eu também teria de conseguir e iria lutar para isso.

           Na realidade, Maria, não foi Portugal que desistiu de ti. És tu quem está a desistir de Portugal. És tu que não te estás a lembrar que com 18 anos temos uma longa vida pela frente e não dás mais uma oportunidade a ti mesma. Preferes um caminho mais fácil e ir para um sítio onde te reconhecem agora, eu entendo. Contudo, fui ensinado que muitas vezes o caminho mais difícil e trabalhoso é aquele que nos trará mais felicidade e reconhecimento. No meu caso, depois de ter parado um ano percebi que a minha vida já não seria num hospital, já não queria isso para mim. Talvez não entrar fosse um sinal para pensar melhor e é com muito orgulho que hoje digo que sou estudante Relações Internacionais do ISCSP.

 

Eu não desisti do meu país e tu, Maria, vais desistir à primeira?  

10 comentários

Comentar post

About me

Lòís Carvalho, 20 anos, Mundo. Existe um sem fim de sítios onde ir, pessoas por conhecer, vidas para viver, sonhos para alcançar, mundos por descobrir.

ver perfil | seguir perfil

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D