Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Um Absurdo Sem Fim

29
Set15

...

Loís Carvalho

Noite

     
         Abri a janela do meu quarto naquela triste noite. Senti a aragem gelada a percorrer o meu corpo. Como estava bonito o céu naquela noite, pensei. Limpo,, as estrelas brilhavam mais do que o habitual, pelo menos parecia-me que sim. Era uma noite de setembro, o outono já tinha começado e com ele tinham vindo os dias quentes e as noites frias , as folhas decadentes e a tudo o que dantes era uma manto verde começava agora a ganhar pequenos pontos amarelos, vermelhos e castanhos como se trata-se de algo a apodrecer.
       Olhei de novo a noite. O cheiro a solidão e melancolia que pairava no ar misturava-se com o de um cigarro acabado e fumar. Ao longe conseguia ver a luz tremula de um fraco candeeiro de rua que nada iluminava, pois nada havia para iluminar naquele lugar. 
         A única luz acesa em todo bairro era a que passava além de uma pequena janela de um pequeno quarto. Esse era o meu quarto. Tudo o que eu tinha neste momento encontrava-se aí, perdido entre o cheiro a tinta de caneta e o barulho de uma lágrima a cair no chão. Olhei em redor e percebi como tinha crescido. Como tudo me parecia tão diferente e distante agora. Sentia-me um estranho no meio dos meus próprios pertences. Era como se nada daquilo me pertencesse e eu estivesse a viver a vida de um outro alguém. 
        Quem serei eu?, perguntei-me enquanto observava o ponteiro dos segundos do relógio  de parede. Olhava atentamente para todas aquelas recordações, memórias, vidas que vivi mas que nenhuma foi minha.
            Quem sou eu?, questionei o meu ser interior enquanto acendia outro cigarro. Voltei de novo à janela, fitei o bairro despido onde morava e, então, fixei o olhar nas estrelas. O que haverá lá fora? Não podemos estar sós..., refletia eu entre um bafo de cigarro e o outro. 
             A noite estava gelada. Morta, um pouco talvez, mas quem não estava nessa noite?
           

About me

Lòís Carvalho, 20 anos, Mundo. Existe um sem fim de sítios onde ir, pessoas por conhecer, vidas para viver, sonhos para alcançar, mundos por descobrir.

ver perfil | seguir perfil

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D